Bidimensional

Chegou a rotineira oitiva, quando o espelho encara novamente a vítima a se decompor. Do ponto de vista contrário era tudo raso, difícil de entender, isso porque de ambos lados o que restava era refletir.

Durante o dia se acompanhavam, consideraram-se livres, mas se questionavam, onde era real, onde era projetado?

Impulsivo, imperativo, rotacionavam pelo ímpeto de reconhecer-se vivos. Porém a noção de si só existia compartilhada, quando um do outro refletia e em um se materializava.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s