Mania

Se me passa um segundo, o sinto,
um instinto engatilhado, um vestígio.

Certo como um erro, perco a mão na dosagem,
do veneno que corrói e constrói a vontade.

Erro no uso do tanto e do quanto,
Deixo a deriva, a crescer o encanto.

Em resposta as memórias do abraço porvir,
Transformo em história o que posso sentir.

Moldo no vento as noções de querer,
Sem perceber quanto eu deixo de ser.

Assim me perco, me deixo aos poucos,
Me preencho em vazios, me torno o outro.

Anfêmero Lapso Emotivo

Coincide a passagem, a fração do segundo
Em que vejo você e descubro o embrulho,
Me calço de afeto, aperto a gravata,
Cedo ao sorriso, a necessidade e a falta.

Ecoo racional, reversível, forçado,
O ponteiro repete o palpite apressado.
Um segundo enrola nossos nós desatados,
E por dentro me perco procurando atalhos.

Palavras e passos nos prendem no tempo,
O passado insiste em recriar os meus erros,
Logo vem o atraso seguido da pressa,
O desespero da esperança pedindo uma trégua.

Me perco no tráfego de pessoas que passa,
E passa o tempo, o presente, a estrada,
Te procuro, escondido, cifrado em segredo,
O pensamento vestido do vestígio que vejo.

Coincide escoar a ausência de tento,
Enquanto engarrafo as memórias de agora,
Guardo a fração do segundo passado,
Descalço o afeto, te deixo a porta.

Quatro quartos

A pressa que me segue não deixa rastro, é como se a cada passo houvesse três a serem dados e não acompanho a rotação do destino ao redor de todos os astros que passam rasteiros ao meu lado, a me deixar.
Fumo o futuro, fumaça, o vento correndo de graça e nos cobrando atenção. Os fios brancos presos no asfalto, as linhas imaginárias que nos separam, os sinais que não dizem nada, a se partir.
A mil ano luz atrasado, as luzes refletem o passado, no estrado da cama vibra o som das batidas do coração acelerado, o fim da noite é sempre menos denso quando sinto o acochoado som da pressa em desespero, esperando a porta, observando as horas sem passar.
No geral resta tanto do pouco que sobra, me torno a ideia de vida lá fora, os verbos se perdem no vento, verdades são meros desejos, não sou além da consequência do tempo, a aguardar.
Do caos um quarto é refúgio, a razão de reconhecer o escuro, andando de luzes apagadas nas várias versões do meu ego, o seguro da imobilidade, a pressa coberta de calma, a se iludir.

Jangada

Providencio a jangada, baixo a guarda e te deixo me navegar rio abaixo, o fato é que falta tato para alcançar o seu estado sólido, e solidificado trago ao meu pulmão o que o coração não carrega, te respiro e torno-o ar espesso, difícil de tragar o respingo do que me sobra do seu amor. A brecha no contrato é o retrato do meu ego, deslanchando a avalanche que me cobre, tempesteia, me torna a areia que cobre o oceano a te procurar, é o encontro do oposto, a contra proposta, o inferno as nossas costas a alcançar o que era, e erra, me deixa errar, me deixa levar seu coração de pedra a beira do abismo, o jogo, te sinto, o som oco, ecoando nas paredes da costela, incendeia, veleja as veias da jangada de madeira viva e o amor que peço, a remar.

Culpados

Desculpa, foge o controle do sentido, te sinto, enquanto se move a saudade, invisível, no sentido contrário, estala o coração em pausa, o faz respirar.
Me culpa, insisto, contra o acaso, o destino, me faço morada de possibilidades, avanço a saudade, a guio, torno-a o vício, o tento, e tento, inspiro a respirar, respiro, não deixo parar.
Te culpo, pela distância visível, que longa naufraga, ainda que rasa, não deixa ser de verdade, nos deixa a mercer, no entrave, nos prende a respiração.
Ambíguo culpado, impedido, o amor vestido de culpa, indefinido, sobra a distância medida, sigo os passos e os pés calejados tornam a respirar.

Inerte sentimento

Aquecido o canto do quarto.
As paredes viradas, os retratos.
A estante abraçava, acolhia o passado.
Vivia a contar a respiração, assim se guiava
E a história em voz baixa o contava:
Haja ferro em gaiolas e grades,
Portas, passagens, corações na garagem.
Haja dias fechados, estreitos, sem passos,
Todos os dias trancados no quarto.
O quinto de sanidade soprado ao ouvido,
Prelúdio do ditado, o sexto sentido.
Via, era visto,
Desvia, deixa o caminho,
Via-se vivo, seu inerte inimigo.
Desvia, delira, desvisto esvazia,
Guardou, ficou, tornou-se mobília,
Em um canto, junto ao sofá, os retratos.
A estante o abraça, acolhe seus passos,
Dois, três, segue o compasso,
Senta-se, sente-se, abandona o diário.
Os tempos se unem, o tempo, seu fardo.

Dívida

Esses olhos, olho, me perco, o quanto intenso pode ser o que vejo, nômade desejo, agindo pela busca da liberdade, não entendo e pouco importa o que se esconde atrás da porta. Logo o que vira, me encontra, a seguir as pistas, as rosas, a postos, aposto, sei que posso, me aconchego, um segundo de distância, só percebo agora, miopia, não te vejo como via, não parecia possível, mas lido, faço o que posso para entender o destino, lido, como me sinto, sem mistério, aos poucos me entrego, sei que percebe e é o que quero, não desvio, trago seu olhar comigo, acompanha, acampa em companhia, continua na minha, vem, me atrasa, faz falha a próxima linha de pensamento, do tempo, faz meu horizonte vertical, perde o jeito, eu chego, te digo nada, esses olhos, olho, me perco, começo do começo, de novo, voo, alcanço a velocidade, me passa, se atrasa, carrega contigo a chegada, aproximado, te encontro do outro lado, te encontro quando passo, fico parado, não há movimento, sem rota, roteiro, sou o mesmo, ainda perco o foco, esqueço o que não devo, sou muito óbvio, muito lógico, por isso te escrevo, lembre-se que te devo, de tudo que ficou, devo ficar.

1/3 Terços

Um terço de mim está decidido, a deixar no passado, rebobinar o destino, a passar, ser seguido pela dúvida, viver a angústia de nunca saber, de ter desistido.
E dois terços insistem, em lembrar, de nunca ter esquecido, de trazer a parte, separado em partes, preencher cada espaço do incapaz coração emendado, ficar a mercê de um terço terceiro, que está convencido do mesmo. Desproporcional, como todo amor que conheço, pendendo ao erro de aceitar ser um terço.
É estranho o quanto eu sabia, mesmo antes de sermos inteiros, o quanto o nós imergia no meu conceito, proporcional a outro sentimento, onde estive, manjado, como posso ter tantos terços, de quantas partes preciso para ser inteiro? E quanto falta, quanto cabe em meu peito?
O terço no meu quarto esconde o que guardo, enraízado percebo, é tanto que cabe em um minúsculo espaço no peito. Basta uma sinapse e armazeno os seus traços, rabiscos invisíveis que criei, empoeirados. No que resta a dizer, o comando, a convencer-me de não mudar de plano, mas são terços de mais torcendo a estar ao seu lado, torcido, me vejo no abismo, e cismo a tentar voar, insisto, sinto, os terços transcrevo e deixo pra lá.

Invisível

Não peço que me note, mas anote, as paradas súbitas do coração acelerado, é intencional, não tenciono os músculos a funcionar. Minha fraqueza, sempre a mesma, o ponto cego, entre a total falta de luz e a clareza, o ego, no escuro, inapto a enxergar, isso é tudo, tudo o que poderia ser.
Tem horas que te encontro em meu pensamento, essa é a razão que uso para manter o movimento, a rotação, eu cedo, te deixo dentro, até que em algum momento, inesperado, estou inspirando o seu cheiro intragável, esquentando os restos do amor no prato, deixando ser suficiente, acredito, estou consciente, aceito a parte que me sobra, as sobras do seu desejo, preencho, até que me pego preso, enquanto troco de lugar, aceito a cela e te deixo voar.
Me pergunto, que tipo de amor é do seu conhecimento, o que constrói pontes ou o elo entre a aceitação e o afago ao ego. Questiono, o quanto posso manter desses desejos, da fraqueza, o quanto aguento, até perder a essência, até ceder a indecência de um amor refutável, ficar estagnado, encarcerado pela falta e da falta, sobrar, e da falta, fazer-te amor, fazer-te amar.

Despercebido

Passou mais um vagão cheio de corações vazios, tanta gente, incosciente, tentando crescer, ser gente. Não digo que falta sangue a circular, são mil litros por segundo, mas isso é tudo que passa, despercebido, a bombear.
Encontro inerente a essa gente, a falta do sim que defini seu egos ou os torne ternos a razão. Não falta cura, falta vertente, falta ver-se no outro, certamente, falta perceber o vagão vago e, ao lado, outro a esvaziar, o vagão partindo, outro partido e outro a acompanhar.
Propomos todos essas teorias do que somos, mas no fim contamos mais algumas estações, o ano acaba, a vida passa e o que temos é a essência do medo em todos momentos a nos padronizar, a rachadura do espelho, deixando-nos destorcidos, torcendo a melhorar, torcendo a última gota do sorisso forçado, o olhar sobre o ombro, a insegurança, a última dança do baile de máscaras, a desmascarar companhia, enquanto esvazia o coração e traz o vagão que acomoda, nos leva, ida e volta, meia volta, volta a circular.
Há amor demais, em teoria, e do mais pode se tirar uma parte, deixar a trilha de migalhas, guiar o caminho, iluminar a estrada, polimerizar.